"Sou meio como um mosquito num campo de nudismo; sei o que quero fazer, mas não sei por onde começar." - Stephen Bayne





quarta-feira, 30 de março de 2011

uma virada de estação insignificante

E agora a praticidade se encontra jogada nas ruas
todas as folhas, que antes eram o símbolo da minha imaginação
se tornaram verídicas
e elas estão realmente lá
caídas
mas meu coração não
meu coração está aqui
por inteiro
e não despedaçado
como tantas folhas caidas

não são folhas amarelas
nem roxas, nem rosas
elas não tem cor nem brilho
são folhas velhas, que cairam por não ter mais vida
que cairam por não pertencer mais a esse mundo
e eu não quero cata-las
eu nao quero lembra-las
eu quero simplesmente deixa-las lá
adormecidas
no chão

meu outono chegou mais cedo e foi embora antes dos outros
mas ao mesmo tempo a estação ainda tentar derrubar pedaços das minhas árvores
mas meu verão é forte
e as folhas caídas são parte do ontem
que meu eu
não lembra mais...

Um comentário:

Dorly Neto disse...

das folhas que ficam
outonos que piscam
momentos que fisgam.

das dúvidas
uma única certeza:
folhas caídas
são o renascimento
de uma bela árvore.



PS: Parebéns pelas poesias e pelo ímpeto em querer mudar o mundo. Fico feliz de saber que não estou sozinho nessa, ainda mais na Comunicação :)